16/06/09

A febre

Meu primeiro post vai ser sobre um assunto que realmente me mete muito medo
FEBRE
Afinal, ela é boa ou má?
Leiam e tirem suas próprias conclusões!

Está com Febre?

Que bom ! A febre, definida como um aumento da temperatura do corpo acima de 37,2º C (medida axilar), é um evento que acompanha boa parte das doenças inflamatórias, especialmente infecções e , de modo mais freqüente, na infância. Nos dois extremos da vida, temos duas tendências opostas: na infância predominam as doenças inflamatórias febris, e, na idade senil as doenças escleróticas.

A febre na criança costuma trazer angústia aos pais, que sentem uma necessidade grande de baixá-la imediatamente, temendo possíveis conseqüências maléficas aos seus filhos. Isso está mais baseado em desinformação do que propriamente em conhecimento científico.

Quando entendemos a febre de um ponto de vista mais ampliado, nossa visão se modifica e também nossas atitudes diante desse fato. A febre sempre existiu, acompanhando diversas doenças, como mecanismo de defesa do organismo. Com o aumento da temperatura corpórea, nosso sistema imunológico tem a possibilidade de agir mais rápida e eficazmente. A produção e a ativação de diversas substâncias e células de defesa aumentam na febre, o que facilita a resolução da inflamação. Sabe-se, de longa data, que durante a febre o organismo humano consegue produzir mais anticorpos contra vírus e bactérias. O aumento de apenas 1ºC na temperatura corpórea consegue diminuir duas vezes a multiplicação viral. No caso do resfriado, por exemplo, o vírus se reproduz muito bem a 35ºC; já à 38º se reproduz pouco, e aos 40º não se reproduz. Portanto, o melhor remédio para o resfriado é a febre! E o pior remédio é o resfriamento – que pode acontecer após o uso de diversos antitérmicos.

Durante nosso desenvolvimento, passamos por crises que precedem períodos de mudanças. Assim é por volta dos 21 anos, quando buscamos nossa verdadeira identidade no mundo, ou dos 28 anos, quando nos questionamos profundamente acerca de nossos reais talentos. Na infância, de 0 a 7 anos de idade, o correspondente a essas "crises biográficas" são as doenças febris. O calor traz a possibilidade daquilo que nos é mais individual, chamado na Medicina Antroposófica de organização do Eu, de intervir na constituição orgânica. Isso se acentua na febre. O Eu precisa expressar-se por meio do corpo físico, e a febre o ajuda a tornar esse corpo herdado dos pais mais adequado à suas próprias características individuais. Na pessoa febril observamos um rebaixamento de seu nível de consciência. Pensar e atuar fica mais difícil durante a febre (o corpo e a mente pedem repouso). É como se a consciência (Eu) "descesse" da cabeça até os órgãos internos e membros, para "tomar posse" daquilo que foi herdado dos pais. Isso só se consegue por meio de calor corporal. Por isso, se no início da febre as extremidades estiverem frias (principalmente os pés) pode-se fazer compressas mornas nas panturrilhas e nos pés, ajudando o calor a chegar até lá. Desse modo não estaremos impondo obstáculos ao desenvolvimento orgânico, mas sim facilitando. Depois da compressa, deve-se colocar meias bem quentinhas e repousar.

Responder com febre durante uma doença é sinal de boa vitalidade, de capacidade de reagir frente às ameaças externas. Após cada episódio de febre, o sistema imunológico, expressão de nossa individualidade, torna-se mais preparado para enfrentar as agressões externas, e a criança, como um ser único, ganha uma batalha e conquista seu novo espaço. Trata-se de um amadurecimento orgânico, vital para o amadurecimento anímico que se segue.

QUANDO BAIXAR

O bom senso nos deve guiar. Em algumas situações, é adequado baixar a temperatura com antitérmicos. Mas são situações de exceção:

o quando a febre ultrapassa os 41º C;

o durante a gravidez (a febre poderia trazer problemas de formação ao feto);

o em pessoas com doenças cardíacas (ao aumentar a freqüência cardíaca, a febre pode sobrecarregar o coração de quem já teve um infarto ou angina);

o em doenças crônicas muito debilitantes (p. ex. tuberculose, hipertireoidismo);

o em doenças psiquiátricas (em que a febre pode desencadear determinados surtos);

o e em pessoas com epilepsia – quando a febre pode facilitar a ocorrência de novas crises.

Existem recursos naturais e medicamento homeopáticos que ajudam o doente febril a modular a temperatura, ou seja, evitam que ela exceda determinados limites, ao mesmo tempo em que trazem bem-estar e auxiliam a fase de recuperação. Antitérmicos sintéticos e antibióticos precisam ser usados com muito critério, e os últimos, somente sob prescrição médica.

CONVULSÃO

Existe um "mito" que vale a pena abordar: as convulsões febris. Ao contrário do que se teme, são episódios raros (3% das crianças), não deixam seqüelas e dificilmente se repetem. As convulsões febris só ocorrem na faixa etária entre 3 meses e 6 anos de idade. Por ser um fenômeno isolado, uma convulsão não pode ser definida como epilepsia.

Ela não depende do grau de febre, isto é, não é mais comum ocorrer aos 40º do que aos 38ºC. Além de raramente acontecer, a convulsão febril cessa espontaneamente e geralmente não causa nenhum dano á criança. A grande maioria das crianças com história de convulsão febril nunca mais irá apresentar novo episódio durante todo o resto de sua vida. Na próxima infecção, seu organismo terá "aprendido" a superar até uma febre mais alta sem convulsões.

É importante saber que a febre não é uma doença em sim, mas uma maneira de se defender, e que o grau de febre (baixa ou alta) não está relacionado à gravidade da doença. O estado geral da pessoa é o mais importante. Não se justifica a preocupação excessiva com a febre. Nosso esforço deve ser o de saber sua causa, e não simplesmente baixá-la, atrapalhando a atuação do sistema imunológico.

Orientações Práticas

O que fazer para ajudar



# Crianças têm febre mais alta e de instalação maios rápida que os adultos.

# Durante a febre convém respeitar a falta de apetite da criança, não a forçando a comer. Se houver perda de peso, ela o recuperará rapidamente após a doença terminar. Porém é muito importante que ela beba líquidos (água, chá e sucos), para repor as perdas aumentadas por força da transpiração maior que acompanha a febre.

# Não dê banho frio na criança com febre, tampouco use compressas com álcool. Isso causa perda muito rápida de temperatura. O banho deve ser na temperatura do corpo.

# Brinquedos e atividades que estimulam demasiadamente o pensamento, como vídeo-game, computador, lição de matemática, etc. devem ser evitados durante a febre. Há necessidade de repouso físico e mental.

# Consulte o médico para saber a verdadeira causa da febre. Se o tratamento é feito com um homeopata, ele necessitará de informações que individualizem o caso, como por exemplo se o aumento da temperatura foi súbito ou lento, se houve presença e características de sede, suor, sintomas mentais (estado de ânimo, ansiedade, desejo de companhia, etc.) dentre outros.

# Após os episódios de febre o calor tem de ser mantido, especialmente nas extremidades (pés), agasalhando-se bem a criança e evitando-se perdas excessivas de calor.

Seguindo esse caminho, o organismo da criança terá aprendido algo durante a doença febril, por esforço próprio. Note a expressão na face do seu filho ou de sua filha após recuperar-se de uma doença febril em que a febre não foi suprimida, e sim auxiliada de modo consciente e natural. A criança está sutilmente diferente: um pouco menos parecida com os pais, um pouco mais "parecida" com ela mesma. Você deu liberdade para ela amadurecer.


Dr. Nilo Gardin

Diretor-Médico da Weleda do Brasil
CRM-SP 78.538


(extraído do Periodicum Weleda - informativo Weleda - Junho/2005 nº 34)

6 comentários:

  1. Oi Dri, nossa que aula. Amei o post! Muito útil. Tenho que confessar que ao primeiro instante de febre eu já medico a Nathalia, tenho medo porque ela já teve convulsão de febre, mas agora aprendi que não é bem assim. Muito bom saber mais sobre a febre, porque sempre achamos que ela é a vilã e não verdade ela só avisa que algo não está muito bem no organismo.
    Brigadinha, estarei sempre aki! Bjs!

    ResponderExcluir
  2. "Chegueeemo"!!!rsrrsrsrsrs
    Essa questão de febre nos deixa com o alarme ligado a cada segundo, e sempre achamos que o pior vem a qualquer momento com ela; mas é através dela que sabemos o que anda "mexendo" com nossos bebês; ela é o alerta do nosso corpo, o negócio é observar e controlar.
    Mil beijocasssssssssssss
    Adorei o blog, adooorei...Agora nós duas temos Conversas de Mãe adoidado..kkkkkkkk
    E tenho certeza que os assuntos aqui serão muito, muito úteis!!!
    Beioss
    Ju e CLara

    ResponderExcluir
  3. Nãããããoooo...não precisava trocarrr...rsrsrrs
    Afinal, são todas conversas de mães!!!!rsrssrsrr
    Beijossssssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  4. Oi Adriana...
    Blog novo...que delícia!
    Muito bom esse post...Clarinha ainda não teve febre, graças a Deus, mas isso é algo inevitável para o futuro, né? rs
    A gente tem que unir o bom senso, com a paciência, a razão e a emoção de mãe...não é mole não...vixi!!! rs
    Tem muita coisa aí que concordo, exemplo a parte que diz que a convulsão não tem relação ao grau da febre...e nem que dará sequelas a criança, pois meu irmão, quando era ainda bebê, teve convulsão, com febre de 38 grasu, e graças a Deus, não teve sequela alguma, e foi só naquele dia e nunca mais!
    Bjaum em vcs!
    Estarei aqui tb!

    ResponderExcluir
  5. minha filha teve convulsão aos 6 meses,
    como posso saber se ela tem alguma sequela?

    ResponderExcluir